quinta-feira, 16 de junho de 2011

Dieta Milagrosa da Pensatriz – parte I

Outro dia ouvi duas mulheres dizerem:

_ Nossa! Olha que magra! Só pode ser infeliz!

É evidente que não estavam falando de mim, mas fiquei com sentimentos ambíguos. Primeiro, porque detesto generalizações. Acho que toda generalização é burra, inclusive esta. Somos variados demais, diversos demais, múltiplos demais para cabermos em rótulos. Assim, da mesma forma que nem todo gordinho é simpático, nem todo baixinho é invocado e nem todo míope é inteligente (dentre outras generalizações que eu nem ouso citar), acho uma injustiça dizer que toda magra é infeliz.

Uma pessoa pode ser magra porque é geneticamente propensa e não porque nunca comeu uma bomba de chocolate na vida. Pode ser magra porque tem pais magros, porque tem intolerância a glúten, porque é vegan roxa, porque é diabética ou porque realmente não gosta de comer.

Mas de alguma forma aquilo me tocou e fiquei pensando. Será? As pessoas reagem de tantas formas diferentes a um mesmo estímulo.... Conheço várias que quando ficam tristes, comem compulsivamente. Comem um bolo inteiro, uma caixa de chocolates inteira, uma garrafa inteira de vodca...

Por outro lado – e muito cuidado aqui com as generalizações – é fato que essas moças magérrimas, de 1,80m e 50Kg não parecem lá muito felizes.

Será?

2 comentários:

J@de disse...

Eu já emagreci porque fiquei triste e engordei porque fiquei triste... triste né?? hehehe!!
Beijos!!

palloma disse...

Tristeza = perda de apetite. Mas existe uma "genética/dieta" forçada para as mocas de 1,80 :)