terça-feira, 6 de novembro de 2007

A evolução dos pesadelos

É engraçado como à medida que a gente cresce, muda também a natureza dos pesadelos. Não há adulto que sonhe com fantasmas, monstros ou mortos-vivos. Nãããão. Adultos sonham com problemas no trabalho, situações embaraçosas de exposição, conflitos emocionais não resolvidos, perdas graves, enfim, desnecessário detalhar aqui porque todo adulto sabe de que consistem seus pesadelos.

Na infância é diferente. Lembro de acordar suada, com o coração aos saltos, chamando pela minha mãe, porque tinha sonhado com uma onda gigante, de mais de quarenta metros, que formava uma parede de água acima da altura da varanda do apartamento em que ficávamos no Guarujá. Ou do meu pavor de sonhar com um funcionário do supermercado que freqüentávamos, de pele muito, muito escura e olhos muito, muito brancos, que me olhava insistente e ostensivamente. Horrível também era sonhar com a professora da terceira série, uma bruxa cruel e sem coração, que deve ter feito Pedagogia na Febem e que diariamente nos ameaçava prender na escola para que perdêssemos a carona, o ônibus ou a mãe e tivéssemos que dormir lá, até o dia seguinte. Não. Isso não era o sonho. Essa era a parte real. Nos pesadelos, ela voava numa vassoura e nos prendia em calabouços úmidos, escuros e malcheirosos. Mas meus piores pesadelos eram com os olhos do Jack Nicholson. Ele mesmo; o ator. Uma vez, passei acidentalmente pela porta do quarto da TV tarde da noite e vi uma cena de O Iluminado. Passei anos assombrada por aquele olhar.

Hoje participo – do lado de fora, felizmente – dos pesadelos dos meus filhos e tenho que fazer um esforço danado para manter a seriedade, abraçá-los com força, beijar as cabecinhas cheirosas e suadas e garantir que vai ficar tudo bem. Ao meu filho, já garanti que dedetizei a casa contra monstros – quando é preciso reforçar a dedetização, uso um borrifador de roupas com água filtrada, que é tiro e queda – mas sempre reforço que se ele parar de assistir Power Rangers, a dedetização fará muito mais efeito. A minha filha, já naquela fãs portas da adolescência, já começam a surgir os primeiros pesadelos de adulto, onde ela elabora problemas vividos na escola, conflitos com os pais, dúvidas, fragilidades e incertezas. De vez em quando, a infância fala mais alto e ela sonha com uma cena dos mortos-vivos dos Piratas do Caribe ou de outro filme particularmente impressionante.

Ainda outro dia, depois de quatro horas intensas na festa de um amiguinho de classe, meu filho voltou para casa cambaleando de sono, tomou um banho, um copo de leite e foi dormir. Lá pelas tantas, acordou berrando. Pulei da cama para atendê-lo.

_ Uma bruxa, mamãe! Uma bruxa horrível!
_ Onde, filho? Não tem bruxa aqui em casa, lembra?
_ Não foi aqui, mamãe. Tinha uma bruxa medonha na piscina de bolinhas!

Ri baixinho e o abracei com força. Como é bom quando nossos piores pesadelos são os olhos do Jack Nicholson ou a bruxa na piscina de bolinhas.

12 comentários:

Me disse...

Já tive sonhos, e também pesadelos.
Supero os pesadelos, com os meus sonhos.

Adauto disse...

Curioso... Sabe que eu nunca tinha me tocado disso? De fato, com a idade, os pesadelos evoluíram, transformando os monstros de outrora em chefias da atualidade.

Mas sempre restam aqueles indistintos, em que você foge, foge, foge, não sai do lugar e teme olhar para trás porque sabe que algo está ali observando, somente esperando um momento de fraqueza para te pegar...

Provavelmente o Jack Nicholson! :)

Mary disse...

Eu não lembro dos meus pesadelos de infancia...Tipo, se eram com bruxas ou monstros...Mas continuo sofrendo com eles, porém, os de hj (que lembro) são bem mais pesados...
Vc proibi seu filho de ver Power Rangers, neh? A minha mãe me proibiu Linha Direta, Tropa de Elite e qualquer outro filme ou programa do gênero...Na verdade, eu que não consigo assistir, sabe?Qdo assisto não durmo mesmooooo...os filmes sim...Mexem comigo.
Agora os sonhos sim,esses lembro desde a infancia, pois boa parte deles continuam...


beijos

Mary

Bruno Scartozzoni disse...

Ana, muito legal o seu blog. Parabéns!

Tomei a liberdade de linkar o seu post sobre pesadelos em um dos meus blogs cuja temática é justamente sonhos (e pesadelos).
http://icoletivo.blogspot.com/2007/11/opinio-temtica-dos-pesadelos.html

Aliás, gostaria de convidá-la para entender a proposta do blog e contribuir com um ou mais relatos. :)

Também escrevo em http://caldinas.blogspot.com

Beijo!

Cláudia disse...

Eu morria de medo mesmo era do jacaré que morava debaixo da minha cama! Sonhava que ele conseguia finalmente pegar o meu pé, quando eu subia na cama pra dormir - porque na vida real ele nunca conseguia, só no meu pesadelo.
beijo

tuca disse...

adoro as estórias das crianças! e adoro seu jeito de escrever. tem uma pérola nova do meu filho aqui

tuca disse...

deu um tilt qualquer no comentário que fiz. De qquer forma queria dizer que adoro as estórias das crianças e adoro o seu blog. Se puder, dê uma passada no "pérolas" pra ver a última do Dan...abraço carinhoso, tuca.

CLAUDIA ALEIXO disse...

QUE LINDO QUE ELE É ATÉ QUANDO TEM PESADELOS!!! MAS EU AINDA TENHO PESADELOS COM MONSTROS...RSRSRSRS....AS VEZES ACORDO COM MEDO SEI LÁ DE QUÊ.....MAS DEVE SER AS DÍVIDAS, TRABALHO, FACULDADE, MONOGRAFIA....SÓ PODE!!! MAS SE BOBEAR, CORRO P/ O QUARTO DA MAMÃE AINDA. JURO QUE NÃO TEM MUITO TEMPO QUE ISSO ACONTECEU...HAHAHAHAHA....SEM VERGONHA, NÉ?!

Andorinha... disse...

Oi Anaa!!! hoje consegui entrar e comentar! OBa!!!
Sabe, acho que ter filho é isso: deparar-se com esta pureza deles; pureza esta que também nos purifica das coisas deste louco mundo externo em que vivemos, não é???
Beijão, querida!! Leio e venho sempre, viu. Só fico meio impedida de comentar! Saudades! vivi

ANNA disse...

Putz, eu quando criança sonhava sempre com uma onda muito gigante na praia, que cobria quarteirões e mais quarteirões. E também sonhava sempre com um bando de homens encapuzados e vestidos de preto que vinham me buscar na minha cama para me levar sabe lá pra onde numa maca... e como se eu fosse muito pesada, precisava de 4 para carregar a maca e mais uns quantos para acompanhar. E o pior é que eu nunca conseguia gritar, ficava muda na hora!

Cintia disse...

Que blog lindo, Ana

Outro dia vi um filme e acabei sonhando com ele.. Achei engraçado. Quase nunca sonho. É bater na cama e acordar no outro dia.

Mas sim, como é bom ter medo de coisas fantásticas.. A gente cresce e fica com medo do tempo, das decepções, do chefe. A gente fica com medo de gente.

=*

Fabiana disse...

Adorei seu blog!

Sempre tive pesadelos, os tinha em criança e continuo tendo. Mas concordo que eles mudaram de direção. E os medos de antes eram mais faceis de combater.Uma espada resolveria.E os de agora exigem uma mulher forte e determinada sem espada nas mãos. bjs