quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

O sortudo

Ele era assim, meio sem sorte.

Não que tivesse o hábito de jogar, mas nunca tinha ganho na loteria (nem na federal, nem na esportiva), nem em rifas, nem em sorteios, nem em bingo. Até no consórcio, que tinha entrado anos antes - daqueles, pra pagar em 36 meses - conseguiu ser o penúltimo contemplado.

Ainda bem que na vida, tudo muda. Naquele ano, a dele também mudou. Estava acabando de pagar a décima e última prestação do pacote de fim de ano para Peruíbe, quando soube que havia sido sorteado. Para o plantão de fim de ano da empresa.

6 comentários:

alice disse...

Eita! Parece eu.
rs...

zhion|off disse...

Já joguei meu trevinho no Rio Tietê pra evitar isso.

Alê disse...

Será que eu vou ter esta sorte toda também? Buenos Aires já tá quase um Peruíbe...falta pouco pra chegar na mesma situação.

ANNA disse...

Antigamente me faltava dinheiro para viajar... hoje que eu até posso bancar um pacote pra algum lugar interessante, me faltam as férias!!!
Beijo
(urb)Anna

Ana Téjo disse...

Alice,
Pé de pato, mangalô, três vezes!

Zizi,
Melhor prevenir, não é mesmo?

Ana Téjo disse...

Alê,
Fé no Santo e força na peruca que tudo há de dar pé (de preferência, de coelho).

Anna,
Não se pode ter tudo na vida, não é mesmo? E olha que você ainda está melhor do que muito sortudo que eu conheço, que não tem nem férias, nem dinheiro pra gastar nelas.