sexta-feira, 23 de março de 2007

Da relatividade do tempo

_ Essa semana passou tão rápido, não é, mamãe?
_ Passou, filha. Está passando.
_ Ah... eu adoro semanas que passam bem rápido e fins de semana que demoooooram pra passar.
_ Eu também.
_ Ah, sabe o que eu mais queria, mamãe?
_ Um fim de semana de cinco dias e uma semana de dois?
_ Errou! Queria que os fins de semana durassem tanto quanto as aulas de história.

O pior é que eu entendo.

9 comentários:

MH disse...

hmmmm, eu queria que durassem tanto quanto a espera por um telefonema. Ou o tempo que levo pesquisando um termo técnico chato de um trabalho mais chato ainda...

Andorinha... disse...

Mas já mudou!?!
Que rapidez!
Ana, estou te linkando no meu blog, ok!? POis é...além de 'comentadeira' oficial, agora tenho um pequeno blog para tentar me expressar...
Beijinhos,
Vivi

Ana Téjo disse...

MH,
Vamos pular essa parte do telefonema, ok?
Até porque, meu nome é Ana Téjo e eu não ligo há dois dias, quinze horas e quarenta e quatro minutos!

Vivi,
Rápido, né? Em tempos de internet, agilidade é tudo nessa vida.
Notou que eu já havia linkado o seu? Muito obrigada, querida. Vou lá te visitar.

mc disse...

Eu adorava aula de história!
Queria que durassem tanto quanto a reunião que eu tive que encarar hoje. SOZINHA. post on the way.

Ana Téjo disse...

MC,
É que as aulas de história são todas duplas. Imagine noventa minutos de aula discursiva num mundo em que você tem nove anos e o fato mais importante da sua vida é a espinha prestes a nascer do lado direito do seu nariz.

Maryana disse...

hmmmm, eu queria que durassem tanto quanto um transito FDP...
Ai sim...nao me importaria ficar nele....

beijosssssssss

Ana Téjo disse...

Mary,
Isso, porque você não mora em São Paulo. Se morasse, ia achar o tempo de um trânsito em dia de chuva demais, até para um fim de semana.

Miranda disse...

Ana, história é ótimo; o problema; deve ser a professora, Ana, ela deve falar, falar e falar mais um pouco e não acontecer nada... você olha no relógio e depois de toda a história, só passou 1 minuto.... Sera que não é assim?
Pergunta pra sua filha e depois me conta.

Ai se os fins de semana fossem assim....
Seria bom, né?
bjos

Ana Téjo disse...

Miranda,
Eu adoro História e minha filha, que tem a sorte de ter um pai muito culto nessa área, também gosta. Mas ela gosta de ouvir História como se fosse história e não como se fosse ladainha, entende?
Experimente contar a qualquer criança a história de um faraó, da queda de um império, de uma guerra ou da escravidão e ela ficará hipnotizada, escutando. O problema, de fato é que deve ser um desafio e tanto para um professor manter vinte anjinhos de 11 ou 12 anos eletrizados por noventa minutos, não? Haja criatividade e talento!