terça-feira, 17 de abril de 2007

O ogro e a coletividade

Como ex-fumante, eu respeito gente que fuma. Respeito, inclusive, o direito de fumarem em locais públicos sem serem olhados como se tivessem alguma doença infecto-contagiosa crônica. O que eu não consigo respeitar nessa vida, é a cavalgadura do meu vizinho.

Trata-se de um velho gordo, de unhas dos pés imensas (sei, porque já vi a criatura de sandálias. Antes não tivesse visto), bigode amarelo de nicotina, combinando com as pontas dos dedos da mão direita, igualmente amarelas, e dentes... preciso mencionar os dentes? Não, né? Então tá.

Apenas para completar o quadro, esse vizinho usa calças presas por um cinto afivelado no primeiro furo, acomodadas na curva inferior da barriga imensa e camisas da época em que ele cabia nelas.

Não. Eu não moro em um cortiço. O vizinho é apenas um viúvo aposentado, cujos filhos saíram de casa e a conta bancária, certamente, já viu dias melhores. Deve precisar economizar, o pobre. Certamente economiza em roupas, em shampoo, em dentista e em tesourinha de unhas. Mas não economiza em cigarros.

Qualquer ser humano minimamente civilizado sabe que é de péssimo gosto fumar em elevador. Primeiro, porque trata-se de um cubículo mal arejado que fatalmente ficará fedendo por horas a fio. Segundo, porque é de um egoísmo inominável com o resto do mundo.

Pois lá estava eu, em meu bom humor contagiante, tentando aproveitar minha hora e meia de almoço para aplacar a culpa e dar umas migalhas de atenção aos meus filhos. Missão cumprida, sirene já devidamente acoplada no capô do carro para voltar ao trabalho em tempo recorde. Chamo o elevador, a porta se abre e lá está ele: o ogro do vizinho. Ele faz um movimento discreto com uma das mãos e bastam dois segundos para eu ver que será um longo trajeto até a garagem.

O elevador de 1,5 x 1,5m já está empesteado de cheiro de cigarro vagabundo (e cigarro bom cheira bem, por acaso?) e de trás da imensa massa gordurosa que é o sujeito, sobe uma fumacinha inconfundível. Fecho a cara e me arrependo de ter dado “boa tarde”. Boa tarde o caramba, seu porco egoísta! Devolve aqui meu “boa tarde” e vai se danar!

Fico imaginando se ele acha mesmo que o “proibido fumar” vale apenas para quando houver outras pessoas presentes. Será que acha que “o que os olhos não vêem, o nariz não sente”? Olho pra ele e tusso sem o menor constrangimento. Em seguida, faço careta e tampo o nariz com a mão. Inabalável, o Shrek faz cara de paisagem.

Deu vontade e dizer, “ó, não disfarça, não, que eu to vendo a fumacinha atrás de você!”; “Cara-de-pau! Egoísta! Fedidão! Não dava para esperar até chegar lá embaixo, não?”; “Por que não fuma no seu cafofo?”; “Por que não vai cortar essas unhas dos pés, hein?”

O elevador chega ao térreo e ele finalmente desce. Eu sou obrigada a agüentar o mau cheiro até a garagem. Entro no carro com raiva da vida, do velho, do cigarro do velho e do trânsito que ainda vou pegar. Mas a raiva maior é de não ter dito nada. E agora, quem tem que escutar são vocês, humpf!

35 comentários:

vivi disse...

Oba, Ana.
É um prazer escutá-la.
Aproveitando o gancho, o que acontece quando uma ser insuportavelmente egoísta resolve fumar dentro do banheiro (que tem apenas duas portinholas de privadas) da empresa onde você trabalha, deixando você, o seu terninho, o seu cabelo todos defumados!? Pior do que sessão de umbanda com caboclo!?
Fazer o quê, hein!?
Beijos!

MH disse...

Aqui no meu prédio também tem um velho sem noção que fuma no elevador, não responde quando dou bom dia mesmo que quase trombe comigo, e tenho certeza que as bitucas que vejo voar de algum apartamento acima do meu em direção ao quintal do térreo também saem da mão dele...

um horror!

Lana disse...

O melhor de tudo isto é que voce e a mh perdem a oportunidade de falar pro infeliz: "É proibido fumar neste cubiculo! " e falar francamente que levará a reunião de condominos e /ou de escritório.
Estes tipos contam com voces para continuarem a fazerem estar m*erdas...hahahaha
Meninas, libertem-se. Meninas boazinhas tambem são duras e diretas!
Beijos

Anna disse...

Ah, Ana, até o Shrek teria bem mais "simancol" que esse figurão aí...
É brincadeira a falta de respeito de algumas pessoas!!!
Beijo
*Anna*

Emilia disse...

Que horror, ainda bem q não moro em prédio com elevador e vizinhos desses!Tenho outros incómodos, porém... quem os não tem :(
Bjo!

Claudia Aleixo disse...

Hahahahaha...vc é demais. Nem te conheço e "Te adoro"...cheguei em casa agora , um bagaço...só vc mesmo pra me fazer rir. Eu se fosse vc falava com o gordinho fumacento, fala mesmo, quebra o pau. Beijos, linda! E boa semana!!!

Aninha disse...

Noooooooossa... Tô quase sentindo o cheiro do cigarro barato do velho daqui!!
Qd a gente acha que já viu de tudo... As pessoas realmente se superam! INFELIZMENTE...

Cláudia disse...

Ana
melhor que qualquer coisa, vou te contar de um vizinho.
Que entrou no elevador e tinha um cara fumando, na maior cara de pau, e continuou como se ele não estivesse ali.
O que ele fez?
Berrou?
Esbravejou?
Disse que ia reclamar para o síndico?
NÃO.
Apertou o botão do andar seguinte e em seguida soltou um pum bem, mas bem, mas bem fedido.
Saiu rápido do elevador antes do fedor se espalhar, e com a porta de dentro fechando, falou: eu aguentei o cheiro do seu cigarro, agora você aguenta o meu pum!!!!
VINGANÇA TOTAL!!!
E ainda se encarregou de espalhar a história pra todo mundo ah ah ah
beijo

LED disse...

Ana, quando eu era pequenininho lá na minha terrinha, tínhamos um eficiente barbante de codinome "cheiroso", por motivos óbvios, que os moleques adoravam levar e acender em sala de aula. Se encontrar isto aqui em SP, creio poder aplicar no seu elevador, sempre quando encontrar seu vizinho, ogro e tosco. Ou, melhor, no carro dele... hehehe.

anna O. disse...

reza a lenda que, quem escreve, sofre da síndrome da escadaria, ou seja: quando vai falar, já perdeu a oportunidade.
eu mesma sou fumante, mas isso aí não é coisa de fumante, não, é egoísmo e cara-de-pau mesmo.. tem que falar! não pode ser cúmplice não! tem que colocar limite, ora!

Cassio disse...

Já pensou em falar com síndico?!
Existem multas para casos assim...

Não me diga que ele é o sindico !!!!

Se for... Melhor pensar em mudar :(

Anônimo disse...

Aiiiiiiiiiiiiii!!!Fiquei com muita raiva por vc agora!!!
ODEIO FUMANTES FEDIDOS, AMARELOS, MAL EDUCADOS E ETCCCCCCCCC....
Ana, já dei minha tragadas tbm...fase, sabe???Aquela fase de adolescencia...que por sinal nem era influenciada por ninguem, só por minha curiosidade mesmo...entao!!!Experimentei, curtir de rock e hj....Hj eu ODEIOOOOO CIGARROS"!!!Passo mal só de estar do lado de alguem...
Aqui em ksa, tem fumantes...São proibidos de fumar dentro de casa...só no quintal ou na janela...Cinzeiros perto de telefone, em cima da mesa e tal PORIBIDOS...e essas coisas, sabe???
Mas não adianta...fora do seu portão...há pessoas sem, mas muito sem noção!!!Não te respeita , sabe???
Nossa! Tem uma amiga da minha mae q fuma a cada 5 segundos...e ela do tipo muito folgada, sabe???Se puder, apaga o cigarro na sua perna (como já aconteceu)...
Sem contar outras coisas, como essa q vc citou..PQP!!!!

Da´proxima vez, pega o cigarro da mao dele e apaga no nariz dele...para ele aprender!!!
Fedido!!!!

beijos

Mary

Renata disse...

Ana, eu tb sou fumante, mas detesto cheiro de cigarro! No cabelo, no carro, em cubículos então...nem pensar!
Falta de educação!
Avisa o síndico, querida!

Bjos!

p.s: com o dedo indicador e o do meio cruzadíssimos!

Ana disse...

Ana,
eu tb odeio qdo faço isso. Qdo quero falar e fico quiera.
Outro dia perdi a oportunidade de quebrar o pau com um imbecil no metro que sentou no banco especial e nao deu lugar pro senhor que ficou de pe na cara dele.
Mas, este mesmo senhor nao perdeu a oportunidade, e "ralhou" qdo o mesmo imbecil pensou em largar o jornal embaixo do banco. Ele pediu para o rapaz dar o jornal que ele jogaria no lixo.
Por essas e outras eu prometi a mim mesma que, qdo achar que estou certa ou ver essas injusticas, vou falar mesmo! Dane-se. Melhor do que ficar remoendo depois.
Beijos.

Ana Téjo disse...

Vivi,
Eu, delicadamente, afogaria.

mh,
Ninguém merece, né? Imagina se, acidentalmente, o colchão dele pagasse fogo enquanto ele dorme por causa de uma bituca mal apagada?... Não que eu deseje um horror desses, mas que merecia, merecia.

Ana Téjo disse...

Lana,
Você tem toda razão. Da próxima vez que acontecer, vou lembrar das suas palavras e, no mínimo, chutar as canelas deles.
Ah, e a gente não é boazinha não, viu? Eu, pelo menos, não sou. É só impressão porque você ainda não me conhece direito!

*Anna*,
Aposto que além de grosso, ele tem bafo. E chulé!

Ana Téjo disse...

Emília,
Só o fato de não precisar recorrer a elevadores já deve ser um alívio daqueles. E você, adicionalmente, ainda tem a possibilidade de correr para aquele jardim maravilhoso, não é?

Claudia,
Eba! 'brigada! É muito bom saber que eu sou responsável por alguns dos seus bons momentos. Comentários assim dão o maior pique pra gente como eu continuar a escrever, sabe?
Obrigada e apareça sempre que eu prometo que vou me esforçar para fazer por merecer.

Ana Téjo disse...

Aninha,
Então borrifa logo o ambiente com um sprayzinho aromatizador da L'Occitane ou da Le Lis!
Sentir o cheiro pelo computador, ninguém merece.

Clau,
Que lorde, hein?
Pena que essas coisas não acontecem só porque a gente quer. Mas a idéia não é de todo má. Dia desses, vou pedir para a babá fazer repolho e ovo de codorna para o almoço. Aí, ele me paga!

Ana Téjo disse...

LED,
E você acha que aquela coisa ruim tem carro?
Aqui em São Paulo tem disso também. Quando eu era pequena, na escola, às vezes meninos como você levavam esse troço para a aula de português. A gente chamava de "maria-fedida". Era acender pra todo mundo sair correndo.
Aliás, onde vende isso, hein? E qual será a função original, além de sabotar aulas chatas?

Ana Téjo disse...

anna o.,
Vou trabalhar minhas limitações e juropordeus que quando acabar com a raça desse ogro fedido, eu volto aquie e conto, tá?

Cassio,
Não. Ele não é o síndico. A síndica é uma vaca que enche a paciência de todo mundo, mas cujo filho estaciona a moto em um lugar que não é vaga.
Posso até falar, mas duvido que adiante. Ela está mais preocupada em saber quem esteve no apartamento de quem e a que horas saiu do que com coisas tolas como cigarros empesteando elevadores. Humpf!

Ana Téjo disse...

Mary,
Boa! Vou apagar o cigarro na língua dele! Tosco!

Rê,
Fumantes podem ser civilizadíssimos.
Quanto à síndica... bem, um dia eu conto.
Torça daí que eu torço daqui.

Ana Téjo disse...

Ana,
Mas que knock out com luva de pelica, hein? O sr. ficou em pé, não reclamou da grosseiria do outro e quando viu o tosco largando o jornal, não só chamou atenção como se ofereceu para jogar no lixo?! Isso é que é educação!
E, sim, vamos pôr a boca no trombone!
Beijos, queri.

Re disse...

Hahahaha, eu mandaria ele cortar as unhas dos pés... estou imaginando os pés dele... vou ter pesadelo.
bjs

Rubina disse...

Ana

Ainda hoje estava a andar na rua e vi um homem, gordo e já velhote, em tronco nu. Dizem que os ingleses têm um comportamento estranho quando o tempo melhora, e parece verdade. Que falta de nível...

Cláudia disse...

Ana
sobre o vizinho, o seu e o meu, só falando a mesma língua, a da falta de educação né?
Por falar em cheiro bom, eu conhecia o barbatinho por peido alemão. Fino não?
beijo

filho disse...

tragicômico. belo blog.

Anônimo disse...

Gruda um cartaz gigante no elevador, "é proibido fumar no elevador mesmo que não tenha mais ninguém dentro" e põe uma caricatura do indigitado, que ele vai se reconhecer. E o pessoal decente (e subinte. Perdão, foi irresistível) do prédio vai agradecer.

Bjs. Rosana.

Anônimo disse...

PS, adorei o "devolve o boa tarde". Ocorreu-me o seguinte: ele não seria o dono do chihuahua, pois não?

Bjs. Rosana.

LED disse...

Êta nós Ana - c hoje tá brava....rss

Ana Téjo disse...

Rê,
Melhor não imaginar. Por mais criativa que você seja, temo que a realidade supere a ficção.
O infeliz vai precisar de um alicate de jardineiro pra cortar aquilo. Eca!

Rubina,
Dizem que os ingleses têm um comportamento estranho em qualquer temperatura.

Ana Téjo disse...

Clau,
Alemão?! Que sacanagem!
Finíssimo. Aliás, hoje você está se esmerando, hein?

Filho,
Obrigada.

Ana Téjo disse...

Rosana,
Adorei a idéia do cartaz. Acho que é suficientemente sutil para uma cavalgadura daquele porte perceber. Só vou ficar devendo a caricatura, que meus poucos talentos se restringem aos que você já conhece. Aliás, olha a coincidência: hoje mesmo, descendo pelo mesmo elevador, tinha um comunicado da bruxa da síndica, dizendo que "jogar bitucas de cigarro pela janela é crime". Será que foi pra ele?
E, não. Ele não é o dono do Pequeno Johnny. O Pequeno Johnny faleceu, acompanhado do seu pequeno dono, em um terrível acidente de carro na BR-116. Porém, a mulher dele (do dono, é bom que se diga), sobreviveu e já arrumou outro chiuaua irritante para substitui-lo (o cão). Um dia eu conto...

Ana Téjo disse...

LED, dearest,
Você ainda não me viu brava...

Anônimo disse...

Ana,
O velho gordinho fumante e outro vizinho que tinha ou tem um projeto de doberman que vc adorava..
Já pensou os dois juntos no elevador....
Fran

Ana Téjo disse...

O "gordinho" não é gordinho. É gordão. O dono no Pequeno Johnny, morreu em um acidente de carro, junto com o Pequeno Johnny.
Agora, tem um nos andares de cima que tem um labradorzinho que deve pesar mais do que eu (o cão, não o dono). Mas esse, apesar do porte do cão, é gente fina.
Aguarde posts sobre a síndica e a viúva do pequeno dono do Pequeno Johnny.