terça-feira, 8 de maio de 2007

Problemas de lógica

Com a iminente vinda do papa ao Brasil, é inevitável tentar entender algumas questões de lógica.

Se eu cometer um estupro e depois me arrepender, serei perdoado.
Se esse estupro gerar um filho, a mãe da criança não poderá abortá-lo.

Se eu ficar grávida de um feto sem cérebro, também não poderei abortá-lo. Deverei mantê-lo até o final da gestação e passar pelo parto para, então, enterrá-lo horas depois.

Se o casamento é uma união insolúvel, que cessa apenas com a morte, posso matar meu cônjuge e me casar de novo.

Se em vez de matar meu cônjuge, eu me separar dele, não posso me casar de novo.
Nem comungar. Nunca mais.

Assassinos arrependidos podem comungar. Divorciados, não.

Padres pedófilos arrependidos podem comungar. Divorciados, não.

Estupradores arrependidos podem comungar. Divorciados, não.

A Igreja Católica condena a eutanásia, que significa abreviar o sofrimento de um doente terminal, sem chances científicas de recuperação. Se eu matar o doente e depois me arrepender, pode?

A Igreja Católica é a favor da vida. Mas não permite o uso da camisinha, nem para prevenir doenças mortais como a AIDS.

A Igreja Católica é a favor da vida, mas não ajuda a manter os milhões de crianças geradas irresponsavelmente todos os anos.

A Igreja Católica é a favor da vida acima de tudo. Agora, só entre nós: isso lá é vida?

39 comentários:

Ana disse...

Sensacional! Amei seu texto Ana. Estava justamente falando disso com uma amiga, após ver na net uma matéria em que o presidente da CNBB diz que "a educação sexual leva à promiscuidade". Fiquei indignada.
Sou católica por formação, mas cada vez mais acredito que o negócio é acreditar em Deus e respeitar o proximo, sem uma religião específica.
Beijos

Segredos da Esfinge disse...

Não poderia ser mais MARAVILHOSO.
Só pra irritar esse PAPA um dia ainda caso 20 vezes ...
Só falto um detalhinhoooo.... achar um maluco para casar.
Fabuloso seu post, como sempre.
Bjos

MH disse...

Exatamente o motivo que me fez sair da missa um dia, anos atrás, e nunca mais voltar. A Igreja Católica me enlouquece. Só entro em igrejas como turista ou pra casamentos e batisados. a incoerência deles me irrita, me revolta...

Greice disse...

Perfeito Ana!
Sem entrar nos aspectos financeiros da igreja, que condena o acúmulo de riquezas mas não faz questão de esconder sua ostentação!
bjs!

Cassio disse...

E você esta falando apenas da igreja no presente.

No passado ela foi bem pior :(

Gastón disse...

E ainda me põe um Papa Rottweiler.

Lana disse...

Há varias formas de ver-se (viver-se) a religião, inclusive a católica...o problema da católica é que ela é de todas a mais liberal...creio que ela poderia se mirar em algumas outras: mulçumana, hindus, etc...Sou catolica praticante e sou a favor do perdão.
O problema é que a nossa justiça perdoa primeiro os estrupadores,assassinos, transgrssores imorais.
A Igreja é assim, perdoa: Fafa de Belem cantou pro Papa e comungou (casada "n" vezes!). Ronaldo e Daniella foram abençoados ("haviam divorciados naquelas semanas")por padre no castelinho frances e quem chiou não foi a Igreja e sim a "classe média" brasileira.

Há de ter-se mais que bom senso para discutir-se religião: Conhecimento. E lógica e Fé, bem, estas não andam junto...há e sempre háverá dogmas em qualquer religião, portanto...
Mas, como sempre, excelente o teu texto...bem representativo
Abraços

mc disse...

Adorei!
Tbm só entro em igrejas para casamentos, batizados, 1ª comunhão, crisma ou turismo mesmo.

mc disse...

ah, velório e missa de 7º dia também!

Ana Téjo disse...

Ana,
Obrigada.
Também sou católica, mas exerço minha própria religião.

Esfinge,
Obrigada.

Ana Téjo disse...

MH,
Também não vou à missa. Me incomoda demais.

Greice,
Essa questão do acúmulo de riqueza, na minha modestíssima opinião, é o principal motivo porque os padres católicos são proibidos de se casar. Quem herda os bens de um padre que morre, se ele não deixa herdeiros naturais? A Igreja, naturalmente.

Ana Téjo disse...

Cassio,
O passado não pode ser mudado. Já o presente...

Gastón,
Preciso confessar que jamais me confessaria com ele

Ana Téjo disse...

Lana,
Também sou católica e a favor do perdão, mas não da condescendência desenfreada.
Nunca vi padre nenhum se recusar a dar a comunhão a quem quer que fosse. Na Primeira Comunhão da minha filha, inclusive, assisti, perplexa, ao Maluf comungando (justo ele, que nem católico é!), mas isso não vem ao caso.
Fafá de Belém comungou, mas se tivesse dito, "padre, estou no meu segundo/terceiro/quarto casamento. Posso comungar?", ele teria dito que não.
Ronaldo e Daniela, nem vou comentar porque nós duas (e o resto da torcida do Mengão) sabemos que aquilo foi um golpe de marketing e não um casamento.
Acho acertadíssimo que as religiões tenham regras para doutrinar a conduta das pessoas. Até porque, no começo, antes mesmo de haver Lei, era a Religião que funcionava como poder moderador.
Agradeço imensamente a sua opinião, divergente da minha, mas claríssima e muitíssimo elegante como, aliás, você costuma ser.

Ana Téjo disse...

MC,
Acho que nunca fui a uma crisma na vida.

Rubina disse...

Eu só aproveito o que a religião católica tem de bom. Nada de proibições. Não acredito num Deus que condena, que faz juizos finais e nos coloca no inferno. Para inferno já basta ter de aturar certa gente, e determinadas situações.

Beijo

Rodolfo Barreto disse...

O papa deveria ser recebido com o símbolo da vida: uma ovada.

vivi disse...

Por estas e outras, que me considero 'espiritualista', de modo geral, e trabalho em um centro.

Tenho verdadeira aversão a qualquer religião que não nos deixe livre para pensar. Livre para expressar a fé e o amor...da maneira que lhe convier, mantendo Deus no coração.

Beijinhos!

LED disse...

Sábio ditado popular - religião, mulher e fute(i??)bol , não se discute....

Ana Téjo disse...

Rubina,
É por essas e por outras que eu gosto de falar com ele daquele jeito, sem intermediários.

Rods,
Sacanagem! Era capaz de estragar os sapatos Prada dele.

Ana Téjo disse...

Vivi,
Acho que é o mais sensato a fazer.

LED,
Engraçado... é justamente o que a gente mais discute...

Lana disse...

Sinto muito...acredite.

Ana Téjo disse...

Lana,
Eu acredito.

LED disse...

a gente - nós dois , a gente - as pessoas ou algum outro a gente (ou agente)- propagadores de discussões por crenças individuais???

Adauto disse...

1) Isso me lembra um certo professor de direito penal. Ele dizia que se estivéssemos na Serra do Mar caçando passarinhos e um fiscal nos pegasse, a saída seria simples: bastava matar o fiscal. No primeiro caso caberia prisão inafiançável, pois tratar-se-ia de crime contra a natureza; já no segundo caso, SE DESCOBRISSEM, poderia se alegar legítima defesa, réu primário, responder o processo em liberdade, etc. Uma verdadeira inversão de valores.

2) No meu segundo (e, quiçá, último) casamento, como eu já estava mesmo condenado ao fogo do inferno por ser divorciado, improvisamos uma cerimônia numa chácara, onde compareceu a juíza de paz. Convidamos um pastor (acho que da Igreja Batista, não me lembro) para dizer algumas palavras - mas ele atrasou-se. Quando chegou, todos já estavam sentados à mesa, comendo e bebendo. Ele pediu uns minutinhos de atenção e fez sua preleção. Até hoje um amigo meu ainda comenta: "Foi o melhor casamento em que já fui. O padre falando e eu com um copo de cerveja na mão..."

Luci disse...

vida fingida!
e o Papa com toda a pompa e circunstância, vive num castelo...cercado de mordomias e assessores... um mundo muito distante da realidade.
mas eu vou à missa qdo me dá na pituca e comungo!
tb. sou fingida!
bj!

Isabella Kantek disse...

Minha mãe disse assim "filha, o papa vem ao Brasil".
E eu respondi "mas mãe, o papa é do mal, você sabe disso".
"Eu sei filha, mas é o papa!".
"Bom, mãe, estou apenas relembrando. E papa mesmo acho que só o falecido".

Ótimo texto!

Anônimo disse...

Uai, apagou meu recado???
Fui a 1º escrever...
Ai Xisus, falei algo de errado???

:(

Mary

claudia aleixo disse...

Divorciado não pode comungar???? Ai Deus, perdoa minha mãe que ela não tá sabendo disso não e não me pede pra contar, pq não sou fofoqueira. Quem fofoca não vai p/ o céu,né?!
Ana, muito legal seu texto! como sempre, parabéns!!!!
Beijocas

Ana Téjo disse...

LED,
"A gente", nós, o coletivo, everybody, captou?

Adauto,
Puxa! eu teria adorado seu professor de direito penal!
Sobre o casamento, deve mesmo ter sido o máximo. Até porque, quem é ou já foi casado, sabe: casamento é uma coisa que a gente constrói todos os dias da vida, ininterruptamente. Se parar de construir, ploft!

Ana Téjo disse...

Luci,
É louco, né? Como numa redoma...
Conheço muita gente que faz como você: vai à missa, comunga e pronto. O negócio deles é com Deus e não com o padre. Eu dou o maior apoio.

Isabella,
Obrigada.

Ana Téjo disse...

Mary,
Nunca apaguei recado de ninguém na vida. Ou melhor, apaguei sim, uns spams de "enlarge your penis" e "buy rolex". O seu, por algum motivo, deve ter dado pau na hora da postagem e não ficou registrado. Manda de novo, por favor.
Não existe opinião "errada", querida. Existe opinião "diferente", o que não a invalida de maneira alguma.

Claudia,
Pode não. Mas fica só entre nós, tá?
Muuuuito obrigada. Como sempre.

Anna disse...

Ana, perfeito seu texto, como sempre!
Tb não me conformo com essas incongruências da igreja católica.
Sou católica sim, fiz primeira comunhão, crisma, me casei na igreja... Mas me revolto com essas idéias estapafúrdias da igreja que vc tão bem citou.
O que eu faço...
Vou à missa de vez em quando... Raramente, eu diria, mas vou. E quando vou, comungo!
Muitos padres não são mais tão rígidos nessas questões que vc escreveu (aborto, camisinha, etc), ou pelo menos evitam falar a respeito.
Mas eu prefiro mesmo entrar na igreja fora de horário de missa, para pode conversar com Ele sozinha, sem ter que ficar repetindo as mesmas palavras que repetimos cada vez que vamos à missa. Aquilo me parece tão mecânico, parece um bando de robôs repetindo o que está no folheto, e quando vc começa a ter uma conversinha séria com Deus entra aquele coral desafinado e te desconcentra totalmente... Na missa eu não consigo rezar direito, prefiro fazer isso sozinha.
Acho que Deus é um só, converso com Ele sempre, e não é porque não vou muito à missa que me considero menos filha Dele do que aqueles que vão todo domingo... E Ele tem me ouvido direitinho na nossa conversa via linha direta!
Beijo
*Anna*

Re disse...

Amei seu texto, concordo! A hipocrisia é o que estraga até mesmo a fé. bjs Re

Ana Téjo disse...

*Anna*,
É como você disse: alguns padres calam, mas não ousam consentir. Loucura!
Também fui batizada e fiz primeira comunhão, não me crismei porque acho que esquecemos e me casei só no civil porque meu ex-marido era divorciado (olha só, que horror!).
Entendo e concordo integralmente com a sua opinião sobre a missa. Como você, também prefiro contatos diretos, assim, do primeiro grau.

Rê,
Obrigada, querida.

Anônimo disse...

Ohh Ana, não quis dizer isso...
Deve ter ocorrido um erro sim...Até pq o meu recado nao falava nada demais e tal..
E sei q aqui, pelo menos, não exise opiniao errada e sim diferente...como falou, neh?
Mas...é isso!!!
deixa pra la...

beijos

Mary

Morg disse...

é ana uma vida assim ele cercado num mundinho só dele, deve ser mais fácil assim
e como disse um sociologo ontem no JG a igreja fala entra num ouvido e sai pelo outro e vc continua sendo católico, tomando pilula, usando camisinha, se casando de novo. porque eu acredito em um deus que nos quer feliz, não acredito em um deus mau.
beijo

Ana Téjo disse...

Mary,
Deve ter sido coisa do Papa...

Morg,
É claro que a gente não vai abdicar do que acredita por causa de dogmas religiosos (eu, pelo menos, não abdico, até por responsabilidade), mas que incomoda, incomoda.

Morg disse...

incomoda e revolta, parece que justiça, seja ela divina na nunca está pra nós. um dia a gente chega lá;)

beijoooooooooooo

Anônimo disse...

Tadinho!!!
Talvez nao...rs
beijossssss

Mary